O mercado de vinil brasileiro: o caso Mercado Livre

Quem acompanha o UV sabe que além de dicas e assuntos ligados à música analógica, nós também procuramos compreender e pesquisar o mercado brasileiro de vinil e, vez ou outra, dar uns pitacos sobre outros países. Para nós a questão da economia do vinil está intrinsecamente ligada à cultura do vinil, sendo que uma não vive sem a outra, tonando-se uma parte única.

Portanto, apresentar alguns fatores deste mercado é fundamental para entendermos o movimento do vinil no Brasil e suas particularidades. Desta vez nós vamos aprofundar um pouco a venda via Mercado Livre – um dos maiores locais de vendas de vinil do país e, certamente, o com maior variação de vendedores e regiões de vendas.

Vamos ao Mercado livre:

Todo mundo sabe que o Mercado Livre é um dos maiores vendedores de vinil do Brasil. Ali se encontra uma verdadeira vitrine sobre tudo que é ofertado em matéria de discos nessa nossa Terra Tupiniquim e em 2015 o ML (como é conhecido) já havia anunciado que a seção sobre discos de vinil era a maior e mais lucrativa na área de música.

Mas você imagina o tamanho deste mercado?

Vamos lá desvendar isso?

Nós usamos a metodologia de pesquisar por palavras chaves e filtramos apenas o que aparecia como verdadeiramente “disco de vinil” ou “vinil”, retirando a possibilidade de surgirem na pesquisa CDs, DVDs, acessórios e moda ligados ao vinil e o levantamento foi realizado no dia 22 de abril deste ano. Na data o ML brasileiro anunciava um total de 61.622 discos à venda, sendo 2020 novos e o restante usados – 59601.

O estado que mais anuncia discos é São Paulo com mais de 27 mil, seguido de Santa Catarina com quase 10 mil. Este fato é interessante, pois, mostra claramente que a oferta não está ligada à proporção populacional do estado e sim, pelo que tudo indica, a aspectos da cultura do vinil em cada região ou os hábitos de compra regionais via Internet. E isso fica mais marcante ainda quando comparamos com o ML argentino que oferta mais de 180 mil discos, destes 34 mil são novos, um número muito mais próximo da oferta de usados brasileiros.

Voltemos somente ao ML brasileiro. Os gêneros campeões de oferta são MPB seguido de Rock e Pop internacional, mas a categoria “outros” é a que mais anuncia, contudo, há alguns erros e equívocos nesta categorização pois MPB aparece de várias formas, como rock e pop também, portanto, não é nada confiável.

Entre R$1,00 a R$5,00 aparecem 418 vinis, sendo destes, 14 novos, todavia ao clicar nos 14 descobrimos que nenhum deles é novo. Todos usados! Isso mostra o quanto a informação sobre discos ainda é precária no ML ou os vendedores não tem a noção de discernimento entre “novo’ e “estado de novo” .

A denominação “novo” é geralmente usada para indicar discos que não foram comprados por outros e revendidos novamente ou em ato de revenda, além de, normalmente, serem de lançamentos recentes. Mas, isso mostra também uma ligeira confusão entre o que determina ser um “disco novo”, afinal, sabemos que existem inúmeros por aí, ainda em caixas oriundas das gravadoras, totalmente intactos, porém, de datas mais antigas e que poderiam muito bem serem enquadrados como “novos”.

Existem 17 discos com valores superiores a R$ 50.000,00 porém claramente percebe-se que são valores hipotéticos com a única serventia para atenderem as especificações para anúncio no ML e assim o vendedor poder combinar preço com o comprador.

Nas faixas de preço abaixo de 25 Reais estão 17739 discos, entre R$25 a R$50 são 22772 e mais de R$50 são 21618, portanto a maior oferta está entre 25 a 50 Reais, seguido dos acima de R$ 50,00.

Entre R$5 mil a R$10 mil os discos enquadrados nesta categoria são poucos, sendo a maioria anúncios de coleções ou lotes. Mas, os campeões são:

Guaraci Do Pandeiro / Triunfo Disco Lp-04 – R$ 6.000,00

 

Gildo De Freitas – R$ 47.700,00
(aberto a negociações)

 

Os Monarcas – R$ 9.999,00
(aberto a negociações)

 

Two Virgins Johon Lennon E Yoko – R$ 5.200,00
(porém sem foto e sem maiores informações no ML, mas o disco em questão é o abaixo)

 

Entre R$500,00 a R$4.999,00 são 337 ofertas e a maioria é de lotes e/ou coleções e existem algumas curiosidades como os vinis:

Zé Maria Você Quer Dançar? Por R$750,00

 

Cely Campelo – Billy – Banho De Lua – Disco 78 Rpm por R$600,00 e um 78 Rpm do Papa Pio XII – Santo Ano 1950, edição francesa, por R$ 650,00

 

Os melhores vendedores segundo os critérios do ML são 1852 (nesta categoria incluem pessoas e lojas) , com frete grátis são 2323 discos, ou seja, no ML a compra de disco é verdadeiramente realizada com o frete incluso. A Som Livre mantém uma loja oficial no ML e isso pode nos demonstrar o poder deste site em matéria de vendas ligadas a discos e o grupo Natiruts também.

Vale algumas observações finais sobre este mercado virtual: a primeira é a confusão entre gêneros, com isso, o comprador deve (necessariamente) pesquisar com muito cuidado quando estiver procurando discos por gênero, pois é bastante confusa e incerta esta categorização, outra questão é sobre preços, há discos (mesmo álbum, aparentemente mesmo ano e prensagem) que estão na faixa dos R$25,00 a R$50,00 e também na abaixo de R$25,00 (quando não está muito superior), portanto, é preciso ter muita atenção na hora da aquisição e o pior fator que encontramos é a ausência em muitos dos álbuns ofertados de fotos que nos oferecem uma maior visibilidade do estado do disco, bem como, informações escritas, das mais básicas (descrever o estado) a algumas verdadeiramente importantes para o colecionador como ano de prensagem, número do disco e gravadora. Mínimas informações nos evitariam ficar enviando perguntas ao vendedor e assim economizariam nosso tempo e o dele também.

Resumindo: para comprar no ML é necessário paciência e uma pesquisa bem apurada para não levar “gato por lebre”.

Além de discos, o ML oferece uma vasta quantidade de acessórios, toca-discos novos e usados e tudo que você pode imaginar sobre vinil, talvez seja o único local do Brasil que encontramos certos acessórios e marcas de toca-discos. Porém, como todos sabem, o ML por mais que seja interessante, necessita de certos cuidados na hora da compra, mas, não podemos deixar de dar o verdadeiro valor a este “supermercado” do vinil.

Boas compras!