Enquanto a guitarra morre, o vinil se mostra como a resistência da música analógica

Recentemente uma longa reportagem no Whasington Post intitulada “Why my guitar gently weeps: The slow, secret death of the six-string electric. And why you should care” (numa tradução livre: Por que minha guitarra chora suavemente: A morte lenta e secreta do elétrico de seis cordas) lançou o sinal amarelo para a guitarra. Nunca tivemos tantos fabricantes, porém, nunca se vendeu tão pouco deste instrumento. E o que estaria motivando essa diminuição nas vendas?

Segundo o artigo do jornal apontado acima, na última década, as vendas de guitarra elétrica caíram, de cerca de 1,5 milhão vendidos anualmente para pouco mais de 1 milhão. As duas maiores empresas, Gibson e Fender, estão em dívida, e uma terceira, a PRS Guitars, teve que cortar pessoal e expandir a produção de guitarras mais baratas. Em abril, a Moody’s rebaixou o Guitar Center, o maior varejista da cadeia, pois enfrenta US $ 1,6 bilhão em dívidas. E no Sweetwater.com, o varejista on-line, um Fender novo e sem interesse pode ser tido por apenas US $ 8 por mês.

No Brasil não acontece diferente, grande cadeias de lojas de instrumentos musicais estão fechando ou mudando seus rumos de negócios para não irem à bancarrota. A tradicional Gang Music fechou e a Musical Roriz mudou seu modelo de negócios – inclusive o nome –  entre outras, e lá fora o movimento para se readequarem aos novos tempos é enorme, como por exemplo a Fender vai passar a vender diretamente seus produtos via internet, evitando atravessadores e repassar lucro a lojistas.

Mas, o que motiva isso tudo? Crise financeira? No caso brasileiro, pode ser um motivo, mas internacionalmente, não!

Segundo George Gruhn, um negociante de Nashville, de 71 anos, “há mais fabricantes agora do que nunca na história do instrumento, mas o mercado não está crescendo”, o que o preocupa não é simplesmente que os lucros caíram. Isso acontece nos negócios. Ele está preocupado com o “porquê” por trás do declínio das vendas. Quando ele abriu sua loja há 46 anos, todos queriam ser um deus de guitarra, inspirados pelos homens que vagavam pela fase de concertos, incluindo Clapton, Jeff Beck, Jimi Hendrix, Carlos Santana e Jimmy Page. Agora, esses boomers estão se aposentando, reduzindo o tamanho e ajustando-se aos rendimentos fixos. Eles estão olhando para diminuir, não adicionar guitarras nas suas coleções, e a geração mais jovem não está entrando para substituí-los e Gruhn sabe por quê: “O que precisamos é de heróis de guitarra”, diz ele. E continua: “Eric Clapton é da minha idade e já vendi 29 de suas guitarras…”

Os Heróis de guitarra chegaram com a primeira onda de rock-and-roll. Chuck Berry, Scotty Moore, Link Wray entre outros. Esse instrumental não foi um feito técnico. Requer apenas quatro acordes. Mas quatro acordes foram suficientes para Jimmy Page.

Os anos 60 trouxeram uma onda de blues brancos – Clapton, Jeff Beck, Keith Richards, bem como craques como Pete Townshend e o revolucionário Hendrix.

McCartney diz, “A guitarra elétrica era nova e fascinante, excitante em um período antes de Jimi e imediatamente depois”, disse o ex-Beatle com saudade em uma entrevista recente e ele viu Hendrix no clube de Bag O’Nails em Londres em 1967. Pensa naqueles dias com carinho e, em seus sets hoje, pega uma Les Paul para dedilhar a “Foxy Lady” de Hendrix. E faz uma pausa na mesma entrevista: “Agora, é mais música eletrônica e as crianças ouvem de forma diferente”, diz. “Eles não têm heróis de guitarra como você e eu tivemos”.

O Nirvana era enorme quando o Black Keys’Dan Auerbach, 38, estava crescendo. “E todos queriam um violão”, diz ele. “Isso não é surpreendente. Tem a ver com o que está no Top 20. Vernon Reid, da Living Color, concorda, mas também fala com uma mudança maior. Ele lembra se inspirar quando ouviu Santana no rádio. “Havia uma cultura de tocar violão e a música era central”, acrescenta Reid, 58. “Um disco sairá e você ouvirá sobre esse registro e você queria fazer a mesma jornada. Houve um certo investimento em tempo e recursos”.

Lita Ford, também de 58 anos, lembra-se de se curvar no sofá em uma noite em 1977 para assistir Cheap Trick no “Don Kirshner’s Rock Concert”. Ela tinha 19 anos e sua banda, os Runaways, tinha tocado shows com eles.

“Era apenas um mundo diferente”, diz Ford. “Havia” Concerto de Rock de Don Kirshner “, Ed Sullivan, Dick Clark, e eles tinham uma banda e você esperava toda a semana para ver quem seria essa banda. E você poderia falar sobre isso durante toda a semana com seus amigos – “Sábado à noite, o Deep Purple vai estar, o que eles vão tocar?” – e então todos estvam na TV como se estivessem assistindo um jogo de futebol. “Nos anos 80, quando a Ford foi solo e chegou no Top 40, ela se tornou uma das poucas heroínas femininas da guitarra em uma lista de reprodução composta por homens, incluindo Stevie Ray Vaughan, Joe Satriani e Eddie Van Halen. A cultura da guitarra era penetrante, seja nos filmes onde “Karate Kid” Ralph Macchio derrotava Steve Vai em 1986;  “Crossroads”, Michael J. Fox, que tocava um violão solo em “Back to the Future” e co-estrelado por Joan Jett no drama da banda de rock de 1987 “Light of Day” ou na MTV e os filmes de concertos mais antigos com o Who e Led Zeppelin em repetições aparentemente infinitas.

Mas já haviam dicas sobre as mudanças, as evoluções da tecnologia musical que acabariam por competir com a guitarra. Em 1979, o Portastudio 144 da Tascam chegou ao mercado, permitindo que qualquer pessoa com um microfone e um cabo de conexão gravassem com várias faixas (Bruce Springsteen usou um Portastudio para o “Nebraska” de 1982). Em 1981, Oberheim apresentou a máquina de ritmos DMX, revolucionando o hiphop. Assim, em vez de Hendrix ou Santana, o Brad Delson, do Linkin Park, inspirou o “Raising Hell” da Run-DMC. Delson, cuja banda recentemente aterrissou no topo das paradas com um álbum, notavelmente leve no violão, não parece o salto dos DJs como algo ruim: “A música é música “, diz ele. “Esses caras são todos heróis musicais, seja qual for o instrumento legal que eles tocam. E hoje, eles estão gravitando em direção a batidas de programação em um Ableton. Eu não acho que isso seja menos criativo quando toca baixo. Estou aberto à evolução à medida que se desenrola. O gênio musical é um gênio musical. Ele simplesmente assume formas diferentes”.

Mas, a indústria e o comércio respondem:

Diga isso ao Guitar Center, agora com uma dívida de US $ 1,6 bilhão e, com tanto medo de publicidade, que uma porta-voz disse que só teria um executivo disponível para uma entrevista com uma condição: “Ele não pode discutir financeira ou política sob nenhuma circunstância.”  Richard Ash, o executivo-chefe da Sam Ash, a maior rede de lojas de música de propriedade familiar nos EUA, não teve medo de afirmar o óbvio: “Nossos clientes estão ficando mais velhos, e eles vão ter ido logo”, diz.

Só nestes exemplos já dá para percebermos a mudança no hábito musical. As crianças hoje preferem uma mesa com CDj, por exemplo, que uma guitarra e os números de vendas mostram isso, saem muito mais dos varejos os CDjs e aparelhos digitais que as guitarras e os violões que vão para o mesmo caminho…

Na disputa histórica entre o analógico e o digital, nós sabemos quem ganhou. Está aí o digital para mostrar que é ele o vencedor, porém, os discos de vinil são a resistência destes 2 mundos.

Enquanto se vendem menos instrumentos normalmente ligados à música analógica, como as próprias guitarras, baixos, violões e etc, os toca-discos se mostram mundialmente como aparelhos voltados ao analógico e campeões de vendas e os DJs se voltam cada vez mais para o uso destes tocadores. Porém, as crianças ainda estão longe de perceberem isso, exceto quando um adulto lhes mostra. Recentemente no nosso programa de rádio Conversa de Vinil entrevistamos uma garota de 12 anos e fizemos a seguinte pergunta: seus amigos conhecem os discos de vinil? E ela foi categórica: não!

Como diz no artigo do Washington Post faltam heróis da guitarra e a maioria destes tiveram sues feitos nos tempos áureos dos discos de vinil, eram, portanto, heróis do mundo analógico! Existem bastantes heróis da música eletrônica e do apelo visual e cheio de sensações que os festivais e apresentações deste modelo musical criam nos jovens. não somos contra isso, somos a favor da diversidade musical e cada um na sua, mas nos atentemos para o futuro: os instrumentos musicais estão saindo de cena, pois, na indústria fonográfica não existem mais os heróis destes instrumentos, porém, os gênios musicais estão aí, cada um utilizando o que seus heróis utilizam e não é culpa de ninguém.

Porém, os discos de vinil e o revival de títulos antigos colocado à venda nos últimos tempos podem e devem ser exemplos para as crianças. Os heróis da guitarra retornaram aos lares pelos bolachões! Então, a possibilidade de se mostrar às crianças que eles existem e são muito legais está aí como nunca se esteviram nos últimos 20 anos. A mudança novamente de hábitos musicais está nas mãos dos… adultos! E estes e somente estes poderão mostrar que tocar um baixo, uma guitarra e um violão é bacana demais!

_______

Todo domingo às 19h na Rádio UFS FM 92,1 tem o programa Conversa de Vinil
Você pode escutá-lo pela web em radio.ufs.br ou a partir do podcast, clicando aqui

Quer saber mais sobre o “ressurgimento” do Vinil? Clique aqui!
Quer saber sobre a qualidade sonora do Vinil, do CD, do streaming e do MP3? Clique aqui!
Sobre os toca discos? Clique aqui!
Cuidados com seus discos? Clique aqui!
Como e onde comprar? Clique aqui!

Quer interagir? Utilize a seção contato, clicando AQUI!

Faça o download gratuito do livro Conversa de Vinil: o universo dos discos de vinil ou o adquira no formato papel para ajudar o UV a se manter sem a necessidade de propagandas ou patrocínios clicando AQUI

 

Website Malware Scan