The Butterfield Blues Band – East West

Tenho resenhado nesta coluna sobre alguns lançamentos de discos em vinil que, embora essenciais, alguns nem conseguimos comprar nas lojas brasileiras. Não são lançados por aqui muito devido a falta de interesse das gravadoras por títulos pouco conhecidos do público em geral, mas que lá fora têm grande valor e são muito procurados. Hoje, no entanto, quero compartilhar um tesouro que está completando 50 anos. Não foi relançado, não está disponível no mercado, não é um disco popular e nunca teve sucesso comercial, porém é fenomenal.

east-west-2

butterfield-blues-band

Conseguir um exemplar original de época é tarefa árdua, é preciso muito empenho, contatos no exterior com disposição e paciência para mergulhar no mercado negro até encontrar alguém que possua uma cópia em bom estado e esteja disposto a vender, e ainda tenha certeza que precisará dispor de uma boa quantia em dólares para adquiri-la.

Bom, eu fiz tudo isso e consegui. O meu chegou recentemente, com 50 anos de idade e novinho como se estivesse em um baú, lugar onde se guarda e esconde joias raras como essa. É algo quase inacreditável, uma sensação indescritível, imaginar como pode um disco ficar tanto tempo, meio século, e ainda estar em perfeitas condições, capa e mídia, qualidades que só um bom disco de vinil é capaz de perpetuar.

East-West é o segundo disco da carreira de Paul Butterfield, um gaitista de Chicago. Seu talento lhe proporcionou aproximar-se de grandes músicos da época. Lembrando que era meados dos anos 60, quando o blues, o soul e o jazz dominavam a cena musical ao tempo em que passavam por uma tremenda transformação, eletrificando-se, tanto na América, como na Europa.

butter

Um desses músicos foi Elvin Bishop. Eles se conheceram por acaso, quando Paul praticava na sua varanda e Bishop, de passagem pela rua, ouviu aquele som e aproximou-se, surgindo dali uma grande amizade e parceria. Juntos foram aceitos no circuito de clubes onde só tocavam os grandes standarts, Otis Rush, Muddy Waters e Howlin’ Wolf, com quem os dois passaram tocar regularmente, até quando decidiram formar a própria banda.

Jerome Arnold (baixo) já tocava com eles. Convidaram então Mark Laftalin (órgão e piano) e Billy Davenport (bateria), mas sentiram a necessidade de contratar outro guitarrista. Essa foi uma grande sacada e o escolhido não poderia ser melhor, Mike Bloomfield.

Com essa formação fantástica, em 1966, lançaram este petardo de blues com nove faixas. Aqui não se ouve, como era de costume na época, garotos brancos homenageando os mestres do blues, mas sim seis jovens – quatro brancos e dois negros – com muito feeling absorvido pela região onde nasceram e cresceram, fazendo sua própria música, conquistando um espaço dominado pelos negros.

Esse time conseguiu, sobretudo neste disco, atingir um nível de excelência tão alto que chega a ser estupendo. Já escutei alguns outros trabalhos deles, todos muito bons, mas esse é especial, o nível aqui é excepcional. Você põe o disco na vitrola e logo se espanta com a musicalidade, com o conjunto, o ritmo contagiante, o groove jazzistico, o baixo elegante e vigoroso, os solos sensacionais dos dois guitarristas que, mesmo em início de carreira, estão tão à vontade e soltos como feras predadoras no seu habitat.

Desde o dia que peguei este álbum que ele tomou conta da minha pick up e não tenho escutado outra coisa, estou completamente envolvido com ele, e não é pra menos, garanto. Sugiro para quem curte blues com pitadas de jazz recheado de guitarras e gaitas que procurem ouvir esse disco, todo ele, faixa a faixa, para sentir uma música que, embora esteja completando 50 anos, é tão atual e apaixonante, tão distante da mesmice da maioria que a industria se esforça para massificar. É um álbum único e indispensável.

O autor:

valdeck

Valdeck Junior é um sergipano apaixonado por música e surf. Nasceu e se criou em Aracaju, mas morou um tempo em Recife. Formado em Gestão de Empreendimentos Turísticos pela UNIT, atualmente cursando Direito, é servidor público do Poder Judiciário. Coleciona discos desde muito cedo, encantou-se pelos “long plays” ainda criança. Sempre curtiu rock e suas vertentes, principalmente os artistas mais antigos, a música da década de setenta. Tem mania de “garimpar”, descobrir aquilo que fora esquecido, resgatar preciosidades perdidas e buscar pérolas novas, ainda não apreciadas e difundidas pela maioria. É um jovem senhor bastante amigável, aberto a novas ideias e desafios, gosta de escrever e compartilhar suas experiências com quem se interessar. valdeck68@gmail.com
Website Malware Scan