Como vender seus discos usados?

O mercado de discos usados precisa de quem compra, mas também precisa de quem vende. Se não houver alguém disposto a vender seus discos, não teríamos o comércio de discos usados, portanto, ambos os personagens (quem compra e quem vende) são importantes para este modelo de negócios.

Muita gente envia para nós e-mails (ou mensagens via nossas redes sociais) perguntando como poderia vender seus discos usados ou oferecendo-os, porém, vários em condições completamente fora da realidade – com valores muito acima ou bastante abaixo, alguns sendo uma verdadeira “covardia” ser vendido por tal preço.

Infelizmente não temos como responder este tipo de mensagem, bem como, mensagens técnicas indagando sobre algum problema no toca-discos ou no sistema de som. São muitas que recebemos semanalmente e não temos pessoal técnico para responder a contento. Somos colecionadores, mas temos nossos canais próprios de compra  e não somos vendedores de discos. Todavia, nós aproveitamos as mensagens que recebemos para avaliar quais são os assuntos mais em voga e, pelo nosso Conversa de Vinil, tentamos responder estas demandas. Os e-mails e mensagens são verdadeiros feedbacks e termômetros dos anseios dos fãs dos discos de vinil.

Um dos assuntos que mais nos chama a atenção é sobre a venda de discos. Não são poucas as mensagens que recebemos. É coisa de toda semana termos 3 ou 4 demandas sobre este assunto. É bastante! É bastante gente! E sempre nos perguntamos qual é o intuito dessas pessoas?

A primeira lição que aprendemos: não devemos julgar quem vende seus discos! Como já dissemos acima, o mercado de usados precisa de alguém que venda para que exista. Essa é a cadeia do mercado: uns vendem e outros compram. Se não existir o que vende, o comércio de usados não existiria. Portanto: bem vindo quem vende! O comércio de usados precisa de vocês!

Depois começamos a perceber pelo corpo das mensagens recebidas que muitos justificam suas vendas por precisarem de grana (quem não precisa nos dias atuais?); por terem vários duplicados; por falta de espaço e assim vai. Não existe um motivo único para alguém querer vender seus discos. Os motivos são variados e são eles que levam as pessoas a desfazerem dos seus. A pena para nós é quando detectamos que o vendedor (ou vendedora) está desfazendo porque não tem onde tocar e muito menos dinheiro para comprar um toca-discos. É minha gente, infelizmente sempre aparece para nós não um, mas vários e-mails com este conteúdo, e isso nos leva à certeza que temos que os preços dos toca-discos não ajudam em nada à cultura do vinil – muito pelo contrário, atrapalham!

_______________________

Pode ser de seu interesse:
Discos usado? Anda sumindo das prateleira
O mercado de vinil brasileiro: o caso Mercado Livre – Levantamento 2017
Perspectivas e perfil do e-commerce brasileiro de vinil – Pesquisa 2017
As feiras de vinil que pipocam pelo país afora!
_______________________

Vamos então ao que interessa: como vender seus discos?

Você precisa desfazer com urgência dos discos ou precisa de dinheiro rápido:
Quando é esta a demanda a dica é levar a um sebo de discos. Obviamente, conseguirá valores bem menores em quaisquer uma das condições abaixo, mas é a forma mais rápida de vender. A orientação que damos é tentar negociar o maior valor possível para seus discos junto ao proprietário do sebo. Porém, lembre-se: há um limite de valores que os donos das lojas podem negociar. A dica aqui é avaliar se existe no meio dos discos a serem vendidos algum que possa ter um valor mais alto e, assim, negociá-lo à parte.
Este é o modelo mais rápido para se desfazer dos discos e conseguir algum dinheiro, em contrapartida, é o formato que consegue o menor valor. Porém, faz parte do mundo dos negócios: dinheiro fácil não vem com rapidez… exceto se ganhar na loteria…

O tempo não é inimigo, portanto, pode vender com calma:
Neste ponto temos duas dicas: vender em “lote” pelo Marcado Livre (ou OLX ou, até mesmo, nos vários grupos de discos existentes nas redes sociais) e/ou vender cada um em separado.
Vender em lote é vender em grupos de 50, 100, 200 discos e etc. Muitos vendem separados por gêneros, como por exemplo: “vendo lote de 50 discos de MPB”. E também pode ser vendido em lotes com discos variados – exemplificando: “vendo lote de 100 discos de temas variados”. Separar por gêneros ajuda a vender mais fácil, pois, assim o comprador(a) fica mais ciente do que está comprando.
Para ambos os casos é necessário fazer uma consulta no Mercado Livre, para saber qual o valor médio que as pessoas tendem a vender seus lotes ou cada disco. Porém, não esqueça de avaliar junto àqueles que estão em estado de conservação parecidas com o seu. Mentir sobre o estado de conservação é inaceitável neste mercado. E não se esqueça que precisará ver como enviar os discos ou lotes. Este é outro fator que deverá levar em conta e pesquisar bastante.
Caso pretenda vender somente para residentes locais via Mercado Livre, grupos ou OLX, outra questão importante nestas situações é verificar qual é o preço médio na sua cidade, no seu bairro ou região. Não adianta impor preço de “Mercado Livre” – nestas condições é preciso ser realista quanto ao preço médio do local que pretende vender. Para saber isso, só visitando os sebos de discos usados e/ou avaliando nos sites e locais na internet mencionados o preço efetivado nas regiões pretendidas.

Levar seus discos para serem vendidos em algum lugar:
Existem várias feiras de discos espalhadas por aí. Neste caso é importante contatar com a organização do evento para saber quais as condições para participar. E como no exemplo anterior: avalie bem o preço dos seus discos para poder fazer um negócio realista.
Existem também as “vendas de garagem” que são locais do próprio vendedor. Tal como a garagem de sua casa. E este “evento” pode ser esporádico ou com períodos preestabelecidos em que estarão expostos para comercialização. Lembre-se sempre de divulgar o “evento” nas redes sociais, grupos e e etc.

Abrir uma loja física ou virtual:
Este é um ponto extremo, quando o vendedor tem uma quantidade muito grande e vale a pena investir num negócio próprio. Todavia fique atento: abrir uma loja, seja virtual ou física precisa de conhecimentos mais amplos. Não basta apenas a vontade de abrir e sair abrindo por aí. Isso é um negócio sério. Não é uma brincadeira de vender discos. Faça pesquisas sobre este tipo de negócios, consulte o SEBRAE se for o caso e se achar que vale a pena e conseguira: vá em frente!

Estas são algumas situações que você poderá vender seus discos. Mas, lembre-se: não existe uma fórmula para o sucesso e tudo dependerá do seu empenho e criatividade.

A economia do vinil  usado agradece e esperamos que façam bons negócios e se divirtam bastante, afinal, discos é uma tremenda diversão, tanto vendendo como comprando!

_______

Todo domingo às 19h na Rádio UFS FM 92,1 tem o programa Conversa de Vinil
Você pode escutá-lo pela web em radio.ufs.br ou a partir do podcast, clicando aqui

Quer saber mais sobre o “ressurgimento” do Vinil? Clique aqui!
Quer saber sobre a qualidade sonora do Vinil, do CD, do streaming e do MP3? Clique aqui!
Sobre os toca discos? Clique aqui!
Cuidados com seus discos? Clique aqui!
Como e onde comprar? Clique aqui!

Quer interagir? Utilize a seção contato, clicando AQUI!

Faça o download gratuito do livro Conversa de Vinil: o universo dos discos de vinil ou o adquira no formato papel para ajudar o UV a se manter sem a necessidade de propagandas ou patrocínios clicando AQUI