Como comprar caixa de som e alto-falantes usados

Aí você entra em casa e vê que chegou da transportadora seu sistema de som vintage recém comprado ou foi numa loja de objetos de áudio usados e comprou um toca-discos, um receiver e um par de caixas de som para curtir a Nova Era do vinil e, de repente, toda sua expectativa para escutar aquele som vai para o brejo. Simplesmente, porque o áudio que emana das caixas é de péssima qualidade. Frustrante! Mas, aí você diz, não pode ser! As marcas do receiver e do toca-discos são de primeira! O vendedor me prometeu que seria um bom som…

Mas, vem o UV e lhe pergunta: você testou as caixas de som? Observou se elas são compatíveis e tão boas quanto os outros aparelhos? Ou, o que muitas vezes acontece: você se lembrou que as caixas de som e seus alto-falantes devem seguir os mesmos cuidados do restante dos eletrônicos ao fazer uma compra?

_____________________________

Quer saber mais sobre caixas acústicas? Leia também: As tais caixas de som


_____________________________

Os alto-falantes e as caixas de som, normalmente, são vistas como algo secundário, sem muita preocupação, no tipo, pegar, levar e pronto! Todavia, muita gente nem dá conta das preocupações necessárias para adquirir tais produtos. As pessoas, geralmente, compram seus eletros de áudio e esquecem de ver a qualidade do objeto que emanará o som. Sem contar o preço das caixas – das boas (e alto-falantes) – que assusta compradores e acabam adquirindo um bom sistema de som, e para baratear, “esquecem” de colocar o mesmo empenho financeiro nas caixas acústicas.

Mas, no fundo, elas são mais fáceis de escolher do que outros produtos de áudio por uma questão muito simples, existem dois grupos: as que prestam e as que não prestam – não existe meio termo. É fácil perceber, pois, independente de marca (óbvio que existem as premium e sempre devemos almejar as melhores) o som deve estar de acordo com seu gosto auditivo (timbre, potencia e etc) e necessidades (tamanho, design, tipo de material) e se elas devem ser passivas ou ativas, bem como estarem de acordo com as especificações técnicas da fonte sonora (toca-discos, receivers, amplificadores e etc) e, assim, adquirir o que você quer e que seja do seu agrado (e bolso) – para saber mais sobre isso, clique aqui. Sem contar um fato importante: as caixas são peças de design que ajudam a compor o ambiente.

Os alto-falantes e as caixas de som bem feitos podem ter uma vida útil muito longa. Além disso, seus possíveis defeitos são geralmente perceptíveis ao olho ou ao ouvido nu e são construções com componentes simples. Então por onde começar a checar as qualidades necessárias para uma boa compra?

1. O que preciso comprar?

Defina o que você está procurando no espaço que você tem, seu sistema e seu orçamento – e não passe por cima dele. Verifique a compatibilidade de seus cabos e fontes. Fique atento ao manual do seu receiver ou amplificador para verificar a compatibilidade com seus aparelhos.

2. Ouvindo, sempre ouvindo, ainda ouvindo …

Isso faz sentido. Comprar alto-falantes ou caixas de som usados ​​sem ouvi-los é um risco muito grande! O ideal é ouvir o que você deseja comprar. Ouça nas fontes que usa em casa: CDs, arquivos digitais, toca-discos, toca-fitas … Sinta-se à vontade para aumentar o volume e ouvir os assobios, rangidos, distorções ou outros sinais desagradáveis ​​que não sejam provenientes da fonte. No ato da compra, não esqueça de elevar o som ao máximo para verificar possíveis distorções no som alto. Boas caixas e alto-falantes não devem apresentar distorções num áudio elevado.

3. Examine a condição dos diferentes componentes

Comece examinando os alto-falantes removendo as grades, se necessário, e procure sinais de deformação, rachaduras, rasgos, amassados  ou pinturas (sim, tem gente que pinta o alto-falante para efeitos de estética do local onde ele se encontrava anteriormente). Preste atenção ao cone. Cones sintéticos dos anos 1970 ou 1980 podem degradar com o tempo. Os cones de papel / papelão são mais duráveis, mas tenha cuidado, eles podem ter sido danificados se os alto-falantes tiverem sido armazenados em locais muito úmidos. Veja também a junção em torno dos alto-falantes, está em boas condições? E nas bobinas, há sinais de avarias? Do lado de fora, as caixas podem às vezes ter marcas de quedas, madeira danificada ou plástico rachado (lembre-se: tudo isso pode ser consertado e vale pechinchar para a baixar o preço caso exista este tipo de avaria. Porém, verifique primeiro se o estrago é passivo de conserto e calcule o preço da arrumação). Finalmente, abra os alto-falantes, se possível, para examinar o estado da espuma (ela está podre, degradada?). E verifique se a construção é boa, com elementos firmemente montados, sem folga.

4. Pergunte sobre a disponibilidade e custo de peças de reposição

Isto é especialmente verdadeiro para os falantes dos anos 90 ou mais, que às vezes são muito bons negócios. As chamadas marcas de “público em geral”, como Sony, Denon, Pioneer ou JBL, infelizmente tendem a não oferecer serviços pós-venda para modelos mais antigos. Para marcas mais prestigiadas e audiófilas, como McIntosh, VPI ou Klipsch, isso é mais frequente. Dependendo do estado dos alto-falantes, haverá um alto-falante, um bloco de terminais ou um filtro para alterar? Se sim, calcule o custo antes de tomar sua decisão.

5 . Qual é a história dos alto-falantes e/ou das caixas que você deseja comprar ?

Perceba: você pode ter as caixas em estado ruim e os alto-falantes em bom estado (ou vice versa). Às vezes basta trocar as caixas ou os alto-falantes para tudo soar bem. Mas, fique atento no tamanho dos alto-falantes – verifique se eles cabem nas suas caixas) quando for comprar apenas os falantes. O ideal é levar as caixas junto.
Lembre-se do ditado: quanto mais áudio emanar, melhor soará. Isso porque o tempo de escuta suaviza as membranas dos alto-falantes e os torna mais responsivos. Se as caixas de som passarem algum tempo em locais complicados (interior de adegas, locais úmidos, sujeito a maresia, casas de show, igrejas e etc), não são necessariamente proibitivas para compra, mas é sempre bom aprender sobre quem está vendendo (um pouco audiófilo, bastante cuidadoso e etc…). Além disso, descubra se os alto-falantes foram danificados, se alguma parte foi alterada e coisas do gênero. Quanto mais perguntas você fizer sobre sua potencial compra, menor será a probabilidade de você errar.

6. Aprenda sobre o modelo e a marca

Tal como acontece com um novo modelo, você nunca deve comprar alto-falantes e caixas com os olhos fechados. Consulte os vários sites e fóruns para avaliar testes antigos e / ou comentários de pessoas que compraram esses produtos, especialmente quanto à sua confiabilidade ao longo do tempo.

7 . Preste atenção no transporte

Isso é especialmente verdadeiro para compras online. Se possível, peça a embalagem original e, se não for o caso, pergunte sobre as condições de transporte. Em caso de dúvida, tire fotos da abertura das caixas de som para confirmar qualquer dano sofrido durante o transporte.

8. Por fim, lembre-se:

Tantos os alto-falantes quanto as caixas podem ser recauchutadas em locais que oferecem bons serviços para isso, pesquise na sua cidade. Há pessoas especializadas e boas para reconstruirem suas caixas e seus alto-falantes. Por isso, quando perceber que houve alguma avaria, não os jogue fora e veja se tem conserto. Outra situação é que às vezes pode ser um bom negócio comprar uma caixa que precise de reparos, adquirindo-a em preço baixo e ela, depois de consertada, se tornar uma excelente fonte sonora. Fique sempre atento a estas possibilidades conversando antes com os especialistas.

 

*Inspirado no artigo do On-Zegreen

________________________

Todo domingo às 19h na Rádio UFS FM 92,1 tem o programa Conversa de Vinil
Você pode escutá-lo pela web em radio.ufs.br ou a partir do podcast, clicando aqui

Quer saber mais sobre o “ressurgimento” do Vinil? Clique aqui!
Quer saber sobre a qualidade sonora do Vinil, do CD, do streaming e do MP3? Clique aqui!
Sobre os toca discos? Clique aqui!
Cuidados com seus discos? Clique aqui!
Como e onde comprar? Clique aqui!
Quer interagir? Utilize a seção contato, clicando AQUI!
Faça o download gratuito do livro Conversa de Vinil: o universo dos discos de vinil ou o adquira no formato papel para ajudar o UV a se manter, clicando AQUI