Comprar toca-discos usado vale a pena?

Esta matéria é uma atualização e revisão do artigo de 2016 “Aparelhos de som vintage para tocar Vinil, vale a pena?” onde vamos apresentar melhor a realidade de agora, principalmente dos preços e modelos dos toca-discos usados (vintage) que hoje se encontram à venda na Internet.

Nossos argumentos e a nossa crença sobre a opção de compra deste tipo de toca-discos continuam com o conceito positivo, porém, algumas novas informações são necessárias principalmente quanto aos preços, a quantidade e qualidade de ofertas que mudaram muito. A realidade é bem diferente da matéria de 2016. Vale a pena ler até o final.

Também aproveitamos para convidar os leitores que preferem toca-discos novos que leiam nossas mais recentes matérias sobre o assunto: Melhores toca-discos de entrada para comprar em 2019 e 9 toca-discos para quem tem uma grana a mais para comprar 2019. Temos certeza que com este trio de artigos, este de agora, os dois citados e mais “11 dicas do UV para você comprar seu novo toca-discos” estaremos dando mais informações para ajuda-lo a adquirir o toca-discos desejado.

Então, vamos lá falar dos usados, ou como alguns chamam, vintage:

Para começo de conversa: vale e muito a pena comprar um som vintage!

Mas, alguém pode estar perguntando o que é um aparelho de som vintage? O significado de vintage não se remete a coisas propriamente velhas de idade, mas a um design que segue padrões antigos, porém, costuma-se chamar de “aparelhos de som vintage” os aparelhos fabricados em meados dos anos 90 para trás.

Compreendendo seu significado vamos em frente:

Os novos toca-discos não diferem em matéria de tecnologia dos antigos no tocante à engenharia para fazer um vinil ser tocado por um player. Mas, existem diferenças básicas que é a incorporação de novas funções, como, por exemplo, digitalizar as músicas do vinil e novas tecnologias e técnicas para a fabricação dos componentes,  para a construção dos motores, braços, pés niveladores, gabinetes e etc.

Um fator positivo nos novos aparelhos é que eles, normalmente, já vêm incorporados com pré-amplificador.

O que é isso?

O som que passa do vinil para ser reproduzido a partir do atrito da agulha com os sulcos do disco é, num português sem vocabulário técnico, muito baixo. Este som precisa de um amplificador para que a altura seja satisfatória. Os toca-discos vintage para conseguirem uma altura boa da sonoridade precisam ser acoplados a receivers ou amplificadores que tenham uma entrada especial para amplificar seu som (habitualmente denominada “phono”, não adianta ter apenas a entrada “auxiliar”). Sem essa entrada, o som emitido chega a ser extremamente baixo ou ausente.

Os novos aparelhos de som costumam não ter essa entrada, por isso, a maioria dos toca-discos antigos provavelmente não irão funcionar nestes aparelhos. Para solucionar isso é necessário a compra de um outro aparelhinho (custa aproximadamente 200 Reais para cima) que alguns chamam de preamp ou, simplesmente, pré-amplificador. Os novos toca-discos já vêm com esta questão resolvida, pois, costumam ter o pré-amplificador embutido. Neste caso é mais fácil montar um sistema de som com caixas amplificadas. Para entender tudo isso melhor, convidamos a lerem “Como montar um aparelho de som bacana” e também, caso optem na compra de caixas usadas a lerem “Como comprar caixa de som e alto-falantes usados“. E quer entender mais sobre o preamp? Clique aqui.

Agora vamos ao preço e o que se encontra atualmente mais em evidência nos e-commerces para venda :

Os novos toca-discos de qualidade são caros. Comprar toca-discos novo com preços abaixo de R$900,00 (em média) é um risco ao descontentamento. Para se ter uma ideia, a parte mais sensível dos toca-discos é um conjunto feito por agulha e cápsula. Um conjunto de qualidade razoável custa acima de R$300,00 (podendo chegar a preços estratosféricos), portanto, se você comprar um toca-discos novo e barato algo foi substituído com qualidade ruim… pense nisso! E, por isso, a experiência de escutar uma música com qualidade poderá ser negativa…

Quando este artigo foi escrito originalmente falávamos de preços bastante convidativos e toca-discos de boa qualidade a partir de  R$350,00 – essa realidade hoje não existe mais, pelo menos nos e-commerce pesquisados (Mercado Livre e OLX).  Encontrar toca-discos deste preço só se for com algum problema, seja na tampa, no gabinete, na serigrafia e pior se for no motor ou outros componentes (leds que não acendem e etc). Portanto, basicamente desconfie de TD usados e baratos, afinal, este artigo foi concebido primeiramente em janeiro de 2016 e se passaram mais de 3 anos de muita gente comprando os bons tocadores de vinil usados nos mercados pesquisados e lembrando: esta é uma mercadoria finita, né? Não tem reposição, já que não são mais fabricados.

Um bom toca-discos usado hoje compete com o preço dos bons novos. Dependendo da marca e modelo são bem mais caros que um novo de excelente qualidade. Mas, é possível encontrar a partir de R$ 700,00 ou R$ 600,00 um TD funcionamento e com uma estética “passável” – caso você não tenha a intenção de tudo ser 100% nele e com a aparência de novo. Em 2016 ainda era fácil achar toca-discos assim. Hoje, muito difícil.

Portanto, a lógica de agora para comprar um vintage não está mais no seu preço convidativo e com qualidade superior a muitos novos. A lógica de agora está muito mais no seu desejo em querer ter um Technics de primeira vintage ou um Garrard fabuloso, por exemplo. Mas, nestes casos, prepare o bolso!

E antes de qualquer coisa, mesmo que veja um TD com preço bem convidativo na web e perceba pelas fotos e na conversa com o vendedor que ele está bacana, fique atento: é preciso saber das condições do som vintage, afinal, ele é usado. Converse bastante com o vendedor antes de fechar o negócio: se precisa de reparos, se tudo funciona bem, se a serigrafia está boa, qualidade da tampa (se está amarelada, se tem algum rachado, riscos, se os clips que seguram a tampa estão perfeitos – se não estiverem, cuidado, é muito difícil, quase impossível, achar essas peças para reposição), se os pés de borracha estão ressecados (ou se ainda existem – este fator é importante pois são eles que mais ajudam na estabilização do aparelho), se ele soa algum tipo de ruído quando em funcionamento (o famoso ohooooooommmm que às vezes aparece nos toca-discos e nem usando o aterramento eles desaparecem). Em suma, verificar a qualidade do “bichinho” perguntando TUDO! Também tente absorver a responsabilidade do vendedor em ser honesto – se ele está dizendo (mesmo!) as reais condições dos aparelhos – e sua reputação (isso existe nos mais respeitados sites de vendas pela internet). Tomadas estas devidas precauções, poderá estar fazendo um excelente investimento!

Se você for comprar na sua própria cidade, peça para fazer um teste de audição e verifique todos os controles antes. Ali! In locu! Não seja tímido em perguntar e fazer o toca-discos funcionar na sua frente e observe tudo que falamos acima nas compras pela Grande Rede.

Agora, é só curtir seu novo toca-discos vintage e coloque aquele vinil que você tanto gosta para rodar e… divirta-se!

________________________

Todo domingo às 19h na Rádio UFS FM 92,1 tem o programa Conversa de Vinil
Você pode escutá-lo pela web em radio.ufs.br ou a partir do podcast, clicando aqui

Quer saber mais sobre o “ressurgimento” do Vinil? Clique aqui!
Quer saber sobre a qualidade sonora do Vinil, do CD, do streaming e do MP3? Clique aqui!
Sobre os toca-discos? Clique aqui!
Cuidados com seus discos? Clique aqui!
Como e onde comprar? Clique aqui!
Quer interagir? Utilize a seção contato, clicando AQUI!
Faça o download gratuito das nossas publicações ou as adquira no formato papel para ajudar o UV a se manter, clicando AQUI