Ainda os números do 1º semestre sobre as vendas de discos de vinil nos EUA

Para entender, leia: Sinal amarelo nas vendas de discos de vinil nos EUA no 1º semestre de 17

Eis a opinião do UV:

Ainda sobre os números americanos do norte – vendas de vinil no 1º semestre de 2017.

O Nielsen Music lançou as estatísticas de vendas de discos de vinil (nos EUA) para o 1º semestre de 2017 e houve um aumento de 2%. A indústria fonográfica esperava mais e, assim, este resultado frustrou as expectativas.
Todavia, antes de qualquer coisa, não podemos confundir os números dos EUA com os daqui e de outras partes do mundo – há diferenças no modelo e tamanho de mercado – e não aconteceu uma queda e sim crescimento!


Para o UV, não se pode alamar sobre este resultado, pois:


– De fato é necessário um chacoalhão para a indústria de discos americana que, preguiçosamente quando reedita um álbum, ao invés de pegar o master original (que elas têm) estão generalizando o uso de matrizes sem qualquer controle de qualidade, criando discos decaídos em matéria de boa audição e, por isso, têm mais é que perder mercado mesmo.


– Falta o evento principal de vendas de discos que é o Natal e todo um outro semestre para verificar as vendas do ano.


– São números apenas sobre vinis novos, os antigos estão em franco crescimento, portanto, representa somente um pedaço deste comércio.


– Há um problema na entrega dos discos, pois, a demanda está em alta (não devemos esquecer que houve aumento e não queda) que vem frustrando muitos artistas, selos e gravadoras e isso só deve ser melhorado em 2018 com a entrada em funcionamento efetivo das novas fábricas e isso vem retirando muitos interessados dos pedidos de encomendas.
– Há muito mais abertura de novas lojas e pontos de vendas de discos que fechamento


– Se o comércio de toca-discos está super quente é sinônimo que existem compradores de discos e utilizadores – se houvesse uma queda substancial nas vendas dos tocadores estaria, obviamente, ligada à decaída das vendas e ouvintes de vinil.


– É natural que haja um crescimento menor e o tamanho do mercado de discos de vinil deve estabilizar nos próximos anos com aumentos menores, já que o formato de venda de música está em transformação com a entrada em peso do streaming, porém, nem este último tem seu modelo pronto e definitivo (ele também está em adequação).


– Por fim, este é um número apenas americano. Logicamente é o maior mercado do mundo, mas não é o único e em todo planeta os números não demonstram frustrações e sim muito otimismo.