Como funciona e como escolher uma agulha para toca-discos

Muitas vezes pensamos apenas na escolha do toca-disco discutindo qual o melhor ou pior e esquecemos uma parte fundamental que são as agulhas e cápsulas. Realmente, vão ser as agulhas que vão entrar em contato com os sulcos do disco e é, a partir delas, que o som será emitido.

Este pequeno ponto da cápsula é esculpido em diamante ou safira. O mineral, escolhido por sua dureza, pode ser cru ou fixado em um suporte de metal base que diminuirá seu custo, mas aumentará seu peso. É a dureza do diamante (ou safira) e sua resistência à torção que lhe permite seguir as formas dos sulcos e oscilar entre eles e vibrar para extrair as informações necessárias para a  emissão de algum som. Além do material, é a forma da agulha que determinará a qualidade da informação retirada do disco pela cápsula, e cada tipo impõe um compromisso entre precisão, durabilidade, a importância do cenário, no impacto no sulco e no custo .

Tipos:

 

Agulha esférica: a forma mais comum e econômica

Agulha esférica ou cônica , como o nome sugere, adota uma forma semi-esférica na ponta. Para esquematizar, é como se a agulha parecesse uma minúscula caneta esferográfica que tocasse o meio de ambos os lados do sulco . Portanto, não é o tipo com maior área de contato ou liberdade de movimento . Mas essa forma facilita a fabricação, a economia e, portanto, está presente na maioria das cápsulas baratas. Comparado a uma agulha mais fina, a esférica terá mais dificuldade em captar altas frequências, mas resistente a riscos e mais durável. Isso faz com que seja a favorita de muitos.
Quanto às cônicas, debates intermináveis ​​na comunidade de audiófilos buscam determinar se esse tipo de agulha distorce ainda mais o som, e pode ser um problema quando a força de rolamento não é ajustável no conjunto do braço.

Agulha elíptica: mais sensibilidade ao sulco, mas também gera mais desgastes e ajustes

A agulha elíptica, como seu nome também indica, retém uma extremidade arredondada, porém mais estreita em suas extremidades do que a esférica. Assim, sua liberdade de movimento no sulco é maior, como sua superfície de contato com o fundo da ranhura . Isso permite que ela capture mais informações do que uma esférica, especialmente nos agudos, e reduza a distorção. Mas essa delicadeza tem um preço: será necessário ter cuidado com o desgaste da agulha, cuidar dela e possivelmente substituí-la em tempo bem antes que as esféricas e tomar cuidado com o alinhamento e ângulo .

Agulha hiperelliptica ou shibata

Este tipo de agulha impulsiona ainda mais a lógica da forma elíptica, dando-lhe uma forma mais fina, que, bem conservada e bem regulada, oferece resultados ainda melhores do que a elíptica nos altos. Em comparação com as agulhas mencionadas anteriormente, também é mais suave com seus discos e garante uma vida mais longa. Por outro lado, como a construção é mais complexa, são frequentemente encontrados em cápsulas mais caras para comprar.

Micro Line ou Micro Ridge imita a forma do cinzel usado para gravar discos mestres.

Antes de pressionar vinis na fábrica, o molde é feito usando um disco mestre de metal gravado com um cinzel. É a forma deste cinzel que determina o microgroove , bem como a gravação direta de um disco de vinil. O que é mais lógico então, do que assumir a forma desse cinzel para fazer a agulha que será responsável pela leitura? As agulhas Micro Line ou Micro Ridge são projetadas por computador para essa finalidade e, portanto, digitalizam o microgroove com a maior área de contato possível, mas requerem configurações específicas, como todos as agulhas high-end. São as únicas que fornecem o melhor resultado em termos de precisão e restituição na parte superior do espectro. Elas também são duráveis e preservam os discos, tanto quanto possível.

Outros modelos são patenteados com vários nomes e estão disponíveis em variados tipos de cápsulas ou para a venda em separado. Você pode ter percebido que não existe, de fato uma boa escolha ou uma má, a questão está nas suas preferências de audição e no seu bolso, bem como, no tipo de toca-discos que tem. Portanto, antes da compra procure escutar o som emitido por cada uma e as especificações de sua cápsula para verificar a que se enquadra no seu modelo.

Fotos: gzvinyl.com ; vinylengine.com

 

_______________

Você leu essa matéria no Noticias do Vinil do UV. Leia mais notícias clicando aqui e nossos artigos semanais e especiais, aqui