Shure para de fabricar cápsulas

No dia 1º de maio, a Shure – uma importante empresa de áudio americana – fechou sua divisão fono. Fundamentalmente, não vai mais fabricar cápsulas para toca-discos.

Talvez seja uma decisão equivocada, já que nos EUA, as vendas de toca-discos estão aumentando (de 49 mil unidades em 2012 para 67 mil em 2017). Enquanto, no Reino Unido , mais de 4 milhões de LPs foram vendidos em 2017, um aumento de 26,8% em relação a 2016. Reconhecidamente, esses números são pequenos para a indústria da musica global, porém, são extremamente representativos ainda mais num momento que as vendas de mídias físicas (CDs e vinil) ultrapassam as de downloads de arquivos digitais. Certamente este seria um bom momento para uma empresa como a Shure prosperar…

Disse Mark Brunner, vice-presidente de Relações Corporativas e Governamentais da Shure, sobre o fechamento: “Desafios na manutenção de equipamentos de produção e uma cadeia de suprimentos altamente especializada forçaram nossa decisão de descontinuar a linha Shure Phono”.

Callum Booth (articulista do site TNW) comenta: “lendo isso algumas vezes (o pronunciamento de Brunner), me faz pensar numa coisa: dinheiro”.

Brunner continuou dizendo que, nos últimos 15 anos, as receitas da Shure Phono permaneceram relativamente estáveis ​​apesar das flutuações no mercado de vinil. Quando você considera que 15 anos atrás foi 2003 – o ano que a iTunes Store foi lançada e que as vendas de vinil foram perto de seu fim – parece que talvez a Shure não não tenha conseguido pegar o mesmo trem de outros fabricantes.

A Ortofon, uma empresa dinamarquesa, é um desses fabricantes. Seu negócio tem se concentrado em vender para DJs, bem como em parcerias com empresas como a Pro-Ject para fornecer toca-discos econômicos para audiófilos com cartuchos como o OM-5E ou 2M .

Segundo Booth, Brunner recusou a comentar sobre as questões da Ortofon com a Pro-Ject, mas você pode ter certeza de que esse tipo de acordo rendeu as recompensas que a Shure parece ter perdido, especialmente quando se considera que são os modelos de orçamento que impulsionam muitas das vendas de toca-discos já mencionadas.

Booth ainda comenta: “Então, se você é um viciado em vinil, deveria se preocupar com a morte da divisão fonográfica de Shure? Com toda honestidade, provavelmente não. Haverá uma subseção de pessoas que esta notícia atinge com afinco – a M44-7 da Shure é amada por DJs, por exemplo – mas há muitos concorrentes por aí fazendo cápsulas brilhantes. Na verdade, empresas como a Ortofon, Goldring, Rega, Audio Technica, Nagaoka, Roksan e muitas outras estarão com a ideia de aumentar a participação no mercado preenchendo a falta da Shure”.

No final das contas, a Shure é uma empresa que está tentando ganhar dinheiro e, por qualquer motivo, sua divisão fono não fez isso suficientemente bem. No entanto, quando uma organização se conecta com algo que você ama, ela se torna algo mais do que um lucro. Com certeza é triste ver a Shure ir, mas no grande esquema do mundo das coisas, isso realmente não importa.

 

Você leu essa matéria no Noticias do Vinil do UV. Leia mais notícias clicando aqui e nossos artigos semanais e especiais, aqui