Sweet Edy de Edy Star é um vinil para ouvir, ler e se divertir

Quando soubemos do lançamento do vinil de Edy Star, Sweet Edy, pela Record Collector Brasil e 180 Selo Fonográfico ficamos bastante curiosos para saber “qual era” deste disco.

Já conhecíamos o álbum que fora lançado 45 anos atrás, mas queríamos entender o quanto Fred Cesquim (da Record Collector Brasil) e Rodrigo de Andrade (Selo 180) estavam entusiasmados e junto a este duo vinha também o Michel Nath na maior alegria com o trabalho feito pela Vinil Brasil (que foi quem fabricou o disco).

Um trio de entusiastas da volta de Edy Star aos discos? Não! Muito mais que isso! Um trio de entusiastas na elaboração de discos que são feitos não somente para ouvir, mas também para ver, ler e, neste caso, “curtir uma psicodelia”.

Como assim curtir uma psicodelia?

Agora vai começar o papo de verdade:

Sweet Edy de Edy Star é o primeiro disco feito no Brasil com efeitos holográficos (se quiser saber mais sobre o que é isso, clique aqui) e segue uma tendência mundial na confecção de discos que vão além do bolachão em vinil e suas músicas.

E se também quiser ler a resenha sobre o álbum, clique aqui na matéria especial do UV

Esta tendência apresenta outras características gráficas e de design na elaboração do vinil. Soma-se à mídia em si, as cores do disco, ricos encartes e bastante informação extra.

Este tipo de álbum deveria até ter outro nome (alguns chamam de “edição premium”), já que vão além daqueles que estamos acostumados a ver por aí, com um encarte, no máximo uma capa gatefold (capa dupla) e uma boa prensagem numa excelente masterização – na melhor das qualidades.

Estes discos como o Sweet Edy, Metro Linha 743 (do Raul Seixas), Leno – Vida e Obra de Johnny McCartney (todos relançamentos da Record Collector Brasil e Selo 180) entre outros, apresentam condições que vão além do ouvir as canções. Neles estão contidas informações extra-música e que, no final das contas, acaba enriquecendo a forma de se escutar as canções.

Sweet Edy conta com uma rica quantidade de extras no encarte e também na música já que acrescentaram mais duas canções como bônus que eram provenientes do compacto que precedeu o LP de Edy Star , uma capa gatfold lindamente trabalhada (e num excelente cartão), um pôster e, é bom mencionar, que vem da fita original da Som Livre com o corte do acetato feito nos EUA. É trabalho caprichoso!

 

 

 

 

Foram feitos apenas 500 exemplares e todos numerados. Nós do UV somos os orgulhosos proprietários do disco 202. Uma beleza!

 

 

Mas, voltando ao álbum, uma das coisas que mais nos chamou a atenção pela curiosidade que tínhamos, era enxergar os efeitos holográficos.

Não foi necessária nenhuma “ginástica” para vermos os tais efeitos. Bastou colocarmos uma simples lanterna que vem nos smartphones focada no vinil enquanto ele rodava no toca-discos para nos deliciarmos com uma super sensação: parecíamos que estávamos numa discoteca dos anos 70…

O som marcante do Edy Star, que também tem partes bem dançantes, e uma psicodelia iluminada que emanava do vinil enquanto ele rodava no prato do tocador dava o que falar entre nós que estávamos “assistindo” o vinil. Alguém que estava vendo ao nosso lado, disse: que doideira! E à medida que se mexia a luz da “lanterninha” mais efeitos surgiam nos possibilitando “brincar” com o disco.

Assista o vídeo abaixo e veja como podemos nos divertir com estes efeitos:

Por fim chegamos à conclusão: o álbum Sweet Edy de Edy Star é deliciosamente para ouvir, ler e curtir os extras, mas também para ser assistido e para brincar, como se fosse uma viagem musical repleta de múltiplas sensações ao mexer com a luz.

Agora entendemos o entusiasmo do trio citado no início desta matéria. Realmente, qualquer pessoa que estivesse à frente deste trabalho iria ficar bastante contente com os resultados.

E quanto a você que nos lê, pegue seu vinil, escute o grande Edy Star e se diverta musicalmente e onde sua criatividade puder ir nos efeitos holográficos do vinil. Uma beleza que, realmente, é uma viagem!

Disponível em:

http://selo180.com

https://www.recordcollector.com.br/

 

_______________

Você leu essa matéria no Tocando Disco do UV. Leia outras da seção clicando aqui, artigos especiais, aqui e as notícias do vinil, aqui.