Vinil na Polônia é um grande sucesso

O Universo do Vinil sempre traz notícias de outros países sobre estes nossos adorados discos de vinil, afinal de contas, quando percebemos o que rola em outras nações fica mais fácil compreendermos o grande movimento mundial do vinil.

Na Polônia está ocorrendo a 23ª edição da Audio Video, que é uma feira que mostra o melhor do áudio e do vídeo nas terras do Papa João Paulo II e, assim, a imprensa polonesa dá mais ênfase aos assuntos relacionados às mídias musicais e seus eletrônicos de consumo.

De cara, os jornais, blogs e outros veículos interessados no vinil estão mostrando o grande acontecimento na Polônia ligado a estes nossos disquinhos de plástico pretos e às vezes coloridos: o lucro nas vendas de vinil na Polônia no primeiro semestre de 2019 foi de 5,3 milhões de PLN (ou aproximadamente 13,5 milhões de dólares) – fonte Andrzej Puczyński diretor geral da Universal Music polonesa. É 38,7 por cento mais do que no primeiro semestre de 2018. Atualmente, as vendas de vinil representam 22% das vendas de todas as mídias com música na Polônia. Ou seja, de cada 5 mídias vendidas, uma é disco de vinil.

De imaginar que até a queda do Muro de Berlim os poloneses não eram tão acostumados com os bolachões, porém já amavam a música que fosse emitida por uma agulha para uma saída de áudio. Até os anos 80 um das mais populares formas de armazenar e ofertar música a terceiros era por intermédio de um tipo de cartão postal musical. Um cartão postal comum, porém, com as ranhuras iguais a de um disco de vinil e bastava colocar em algum toca-discos ou aparelho semelhante para obter o som.

Postais sonoros foram produzidos do início dos anos 60 ao início dos anos 80 nos países socialistas em que os discos de vinil estavam praticamente indisponíveis – Inicialmente, os cartões postais sonoros foram criados apenas no formato C6 (tamanho do cartão postal) e, em seguida, aproximaram-se do tamanho do envelope único. Os cartões postais de áudio anteriores continham apenas uma música, os posteriores já continham duas músicas. De acordo com Zasław Adamaszek do Museu Técnico Nacional Polonês, “a qualidade dessas gravações eram mais emocionais e sentimentais, ou seja, muito baixa qualidade, mas facilmente perdoável.

Pocztówki dźwiękowe / Cartões Postais Sonoros Imagem: Piotrm00

Nos tempos da República Popular da Polônia, graças aos cartões postais sonoros, você podia enviar saudações e músicas – como hoje os arquivos mp3 em texto de mensageiros instantâneos. Cartões postais populares incluíam músicas, como Czerwonych Gitar ou Agnieszka Osiecka, mas também hits não disponíveis no mercado, cuja fonte eram CDs ou gravações da Rádio Luxemburgo importados do exterior. “Nesta situação, a qualidade do som ficou em segundo plano. O mais importante era que você podia ouvir músicas que reinavam nas paradas mundiais – diz Zasław Adamaszek.

Que bacana, né?  Afinal, estes cartões postais nos dão pistas sobre como era a educação musical nos países socialistas do passado e hoje já sabemos que eles adoram um disco de vinil e não é sem motivo que existem duas excelentes fábricas de discos no país de Nicolau Copérnico e Chopin, a WMfono (cuja capa do artigo são discos fabricados nela) e a Kuroneko Phonogram Manufacture.

O vinil está em tudo que é lugar!

 

________________________

Todo domingo às 19h na Rádio UFS FM 92,1 tem o programa Conversa de Vinil
Você pode escutá-lo pela web em radio.ufs.br ou a partir do podcast, clicando aqui

Quer saber mais sobre o “ressurgimento” do Vinil? Clique aqui!
Quer saber sobre a qualidade sonora do Vinil, do CD, do streaming e do MP3? Clique aqui!
Sobre os toca-discos? Clique aqui!
Cuidados com seus discos? Clique aqui!
Como e onde comprar? Clique aqui!
Quer interagir? Utilize a seção contato, clicando AQUI!
Faça o download gratuito das nossas publicações ou as adquira no formato papel para ajudar o UV a se manter, clicando AQUI